Implante Dentário

O que é um implante dentário?

Um implante dentário é uma prótese que substitui um dente perdido. Dentes naturais são formados por duas partes, a coroa e a raiz. A coroa é a parte visível, recoberta pelo esmalte. A raiz é a parte que dá suporte à coroa e que se estende até os ossos dos maxilares. A raiz é a parte do dente que é substituída pelo implante. Por isso, os implantes também são conhecidos por raízes artificiais.

O implante geralmente possui três partes: o implante (que é inserido diretamente ao osso); o pilar de fixação que conecta o implante à terceira parte – a coroa ou prótese propriamente dita.

Atualmente os implantes são confeccionados predominantemente de titânio, um metal que é biocompatível e oferece resistência e durabilidade, além da propriedade única de união direta ao osso – o processo conhecido como osseointegração.

 Mas o que é osseointegração? Os implantes dentários funcionam como raízes artificiais através de um processo biológico que ocorre quando as células ósseas se ligam diretamente à superfície de titânio do implante. Esta afinidade promove um travamento do implante ao osso maxilar. Este processo foi descoberto pelo pesquisador sueco Per-Ingvar Brånemark, na década de 1960, e batizado de Osseointegração. 

 Implantes dentários podem ser utilizados como próteses substituindo dentes naturais de vários tamanhos e funções, tanto dentes únicos como a arcada completa (dentes do maxilar inferior e superior). Esses dentes substitutos são projetados de forma a combinar com a cor do esmalte dos dentes naturais de cada paciente, o que oferece uma aparência completamente natural e um sorriso novo.

Implantes dentários são adequados para mim?

Se estiver lendo este texto, provavelmente você ou alguém que você conhece perdeu algum  dentes. Se foi perdido em virtude de um acidente, doença ou deterioração, os implantes dentários são uma opção de substituição de dentes, excelente para quase todas as pessoas.

Os implantes dentários podem ser indicados quando:

»

Um único dente está faltando - em vez de uma ponte entre dentes naturais;

»

Vários dentes estão faltando - em vez de grandes pontes ou próteses parciais removíveis;

»

Todos os dentes estão faltando - em vez de dentaduras móveis.

Com os implantes dentários, você pode voltar a ter uma dieta completa, sem restrições de determinados alimentos, uma vez que esses novos dentes são fortes e estáveis.

Como sei se sou um candidato adequado para receber implantes dentários?

Se você acredita que os implantes dentários podem ser uma solução para seu caso, entre em contato com seu dentista para agendar uma avaliação. Para o sucesso do tratamento, é fundamental uma boa saúde bucal. Sem a presença de inflamações ou infecções na região de gengiva, dentes naturais e ossos maxilares.
Por esta razão, deve ser realizado um exame minucioso da boca (incluindo dentes e gengivas). Isso permite que o dentista avalie também a sua mordida (oclusão), o que é importante para o sucesso da confecção da prótese sobre o implante.

Da mesma forma, a saúde geral do paciente também precisa ser considerada, como possíveis doenças e uso de medicamentos.

Nesta avaliação, o dentista decidirá quais exames complementares serão necessários, como radiografias, tomografias, modelos de estudo e exames laboratoriais. Tudo isso considerando cada caso, cada paciente, individualmente.

Como os impantes são colocados?

A maioria dos procedimentos cirúrgicos de implantes é realizada no próprio consultório odontológico. Anestesia local é geralmente adequada para esse tipo de procedimento. Procedimentos cirúrgicos complementares, como enxertos ósseo, podem ser realizados separadamente ou durante a cirurgia de implante. Cada procedimento cirúrgico é diferente dependendo tanto da situação clínica como da preferência do paciente ou cirurgião dentista.

O método mais comum de colocação de implantes dentais é um procedimento de “cirurgia por etapas”. A primeira etapa consiste na colocação cirúrgica do implante (o que substitui a raiz do dente) deixando-o sob a gengiva para cicatrização por um período de 2 a 6 meses. Ao final deste processo, o implante precisa ser exposto cirurgicamente através do que chamamos de segundo estágio. Nessa segunda etapa, o cirurgião verifica o implante para confirmar a osseointegração bem sucedida e adapta ao implante dispositivos que ficarão expostos através da gengiva durante alguns dias.

A próxima etapa é a confecção da prótese (dente) sobre o implante, o que pode levar de 1 a algumas consultas, para se alcançar o resultado estético e funcional esperados.

É possível diminuir este tempo de cicatrização dos implantes?

O tempo de cicatrização dos implantes depende da qualidade óssea do paciente e geralmente é ampliado nos casos em que há necessidade de procedimentos complementares (enxertos ósseos). Em geral, os implantes dentários requerem de dois a quatro meses para a cicatrização óssea (sem participarem da mastigação). Com os avanços dos materiais e dos sistemas de implantes, o processo de cicatrização tem melhorado ao ponto de alguns fabricantes de implantes estarem indicando um tempo de cicatrização cada vez mais curto para seus produtos. Nos últimos anos, as pesquisas mostram que, em certas circunstâncias controladas, os dentistas podem restaurar os implantes imediatamente (conectar a prótese) no mesmo dia ou logo após a colocação dos implantes. Esta técnica é conhecida por Carga Imediata. Embora tal procedimento esteja se tornando cada vez mais comum, sua indicação depende de vários fatores que devem ser considerados pelo dentista individualmente para cada caso.

Próteses sobre implante, solução imediata.

As próteses confeccionadas sobre implante estão dentre as mais seguras no que se refere a estabilidade, conforto e estética quando comparadas as próteses totais e removíveis. A prótese tipo Protocolo, consiste na confecção de uma prótese de resina ou porcelana apoiada sobre alguns implantes, geralmente realizada para suprir a ausência de todos os dentes de uma arcada. Pode ser realizada na arcada inferior e superior com algumas particularidades.

Geralmente na mandíbula, são instalados de quatro a cinco implantes na região mais anterior entre os forames mentonianos. Logo após a instalação verifica-se o torque conseguido (quanto o implante ficou estável dento do osso). Constatando-se um bom travamento é realizado uma moldagem e segue a confecção da prótese, que é finalizada em três a quatro dias. Caso os implantes não tenham uma boa estabilidade inicial, é confeccionada uma prótese temporária e após o período de integração dos implantes (3-4 meses) se realiza a prótese Protocolo definitiva.

Na maxila, para confeccionar a prótese Protocolo, é necessário um número maior de implantes. Normalmente, é necessário de seis a oito implantes, priorizando uma distribuição por toda arcada. Tem um dado interessante, o osso na maxila geralmente não permite uma boa estabilidade inicial dos implantes, sendo muitas vezes necessário o uso da prótese temporária com mais frequência. Sendo assim, após o período de integração dos implantes (4-6 meses), se confecciona a prótese Protocolo. Contudo, ao conseguir um  bom torque dos implantes, podemos seguir a confecção da prótese Protocolo, finalizando também entre três a quatro dias a prótese definitiva.

Outro fator relevante é a possibilidade de confeccionar a prótese Protocolo nos pacientes que ainda possuem alguns dentes. Com esse quadro clínico, é realizado as extrações dos dentes com problema (dentes quebrados, com doença periodontal, com perfurações radiculares, dentre outros) e na mesma sessão são confeccionados os implantes, seguido da moldagem para confecção da prótese definitiva.